PALAVRA DO PADRE

Paróquia Nossa Senhora do Pilar

Prezados irmãos e irmãs  das Pastorais e dos Movimentos eclesiais de nossa comunidade, estimadas famílias!

Com as palavras que vos dirijo neste texto, desejo fazer uma breve reflexão sobre o contexto e o tempo que vivemos para podermos animar, fortalecer e iluminar a nossa caminhada de cristãos. Todos sabem o quanto o pragmatismo está presente na atualidade da vida das pessoas e famílias, seus projetos e seus passos. Por esta mentalidade, a fé e esperança tornam-se desafiadas ao cultivo de tantas novas ideias no contexto de toda sociedade. O processo da realização da pessoa visa, segundo esta mentalidade, agregar um conjunto relativamente grande de informações que valorize o hedonismo como busca de uma liberdade pragmática e sem  perenidade das virtudes.  Há, porém, alguns diferenciais que marcam a identidade das famílias que creem e cultivam a fé e prática eclesial na formação de seus filhos. Em seus projetos, a família cristã não apenas agrega os valores da Palavra de Deus, da celebração dominical, da caridade fraterna, como também edifica um testemunho de sua pertença ao reino de Deus, no seguimento de Jesus e seu Evangelho.  Nas nossas famílias, a criança e o jovem tomam contato com os mais profundos e universais valores que devem fundamentar a existência humana.

A comunidade de Fé, a Igreja de Jesus, assume diante de muitos desafios que assolam a consciência individual do Ser Humano, uma Missão de construir uma espiritualidade em sua interior concepção religiosa, que possa apontar o ideal de vida para os jovens, a recuperação das relações em famílias, o cuidado com a natureza e a participação no processo de civilização da sociedade como um todo.  Assim, as famílias são educadas para viverem em relações de respeito e mútua compreensão e afeição.

Convido as famílias a conhecerem a Comunidade de fé, sendo o espaço de nossa força  e esperança que tem em Deus a sua fonte e horizonte.  Os grupos e movimentos que nela existem são experiências de convivência propiciadora de relacionamentos que edificam e potencializam a pessoa humana em sua relação com Deus e com os irmãos.

Outra palavra de conjuntura social é que para preparar os caminhos é necessário saber aonde se quer chegar. Quem não tem metas claras e confiáveis terá dificuldades para realizar seus projetos. Os constantes escândalos na sociedade, expostos à exaustão pelos meios de comunicação, revelam o quanto existe de pouca vergonha no trato dos bens da própria sociedade, que no fundo deveriam ser destinados aos mais pobres. Queira Deus aconteça um aprendizado de uma nova forma de ação, com superação dos atuais escândalos, gerados pela endêmica corrupção em todos os níveis.

Nosso compromisso com a integridade e promoção da vida revela que na Comunidade de Fé somos capazes de catalisar uma onda de aprendizados que nos edifiquem como testemunhas autênticas de comunhão com o Evangelho de Jesus. Ele mesmo anuncia que “veio para servir”, dando aos seus discípulos o modelo que uma religião eficaz, frutuosa na construção e partilha do bem comum.

Aproveitemos o propício chamado de Deus na liturgia deste tempo. É tempo de vida nova e de recomeço. O profeta nos ajuda a abrir um horizonte de maturidade de nossa Aliança com Jesus Cristo e sua Igreja. No Advento, toda a Igreja vive a sua grande esperança. O Deus da revelação tem um nome: "Deus da esperança" (Rm15,13). Não é o único nome do Deus vivo, mas é um nome que O identifica como "Deus para conosco". O Advento é o tempo da grande educação à esperança: uma esperança forte e paciente; uma esperança que aceita a hora da provação, da perseguição e da lentidão no desenvolvimento do Reino; uma esperança que confia no Senhor e liberta das impaciências subjetivistas e do frenesi do futuro programado pelo homem.

Na convocação ao testemunho da esperança, a Igreja, no Advento, é confortada pela figura de Maria, a mãe de Jesus. Ela, que "no Céu, glorificada em corpo e alma, é a imagem e a primícia da Igreja... brilha também na Terra como sinal de segura esperança e de consolação para o povo de Deus a caminho, até que chegue o Dia do Senhor" (2 Pd 3,10).

Desejo  contudo,  irmãos e irmãs, que ao celebrarmos mais um Natal em nossa história e com nossas famílias, sejam revigorados em nós o fecundo sentimento de gratidão a Deus e a dimensão de nossa Comunhão de igreja, como povo de Deus peregrino no mundo.  Com as celebrações do Natal do Senhor, podemos perceber que é possível a atitude de conversão pessoal e comunitária para que haja mais testemunho da promoção da paz, da fraternidade e formação ética para os filhos que formam o futuro de nossa gente. Os valores da vida cristã, sim, garantem um diferencial na inserção e longa permanência de nossos jovens no mundo e no convívio social.

A todos um Tempo de Advento fecundo e proveitoso à conversão, cuja espiritualidade culmina nas alegrias do Natal do Senhor. Às famílias de nossa Comunidade, dias do Natal na experiência do acolhimento sincero, do abraço verdadeiro e da fraternidade que gera luz e força para todos.

Abençoado e Feliz Natal, com minhas orações e bênção!
Pe. Nedson de Oliveira